Siga com seu email e receba meu sofrimento grátis na sua caixa de entrada...

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

dia 11 de dezembro de 2014..

Tanta coisa passou!
 Você, amor, passou! Você, meu bem, acabou de passar! Vocês, família, passaram! Vocês, amigos(filhos), passaram rápido!
Mas ninguém notou que eu fiquei...
"Eu morro um pouco mais, pra me trazer pra vida? preciso desligar."
Não sei, paranoia, doença.. Doença. Ninguém me diz, ninguém me traz. Problemas de 15 anos em 15 dias! Logo eu, que usava e abusava do meu psicológico, fazia o que eu queria.. Hoje ele me deu, me da o troco, diz que quem manda e ele e ninguém mais.
Trago a dor de todos, trago a raiva e a incerteza, trago a ansiedade, trago a querencia de vida


sábado, 18 de outubro de 2014

dia do médico

18 de outubro de 2014..
Reunião da crisma, encontro dos pais que minha mãe não foi.. Tia Rosenda foi♥
Você, Ele, Meu, Amor, Noivo, Namorado, Marido, Pessoa, Meu
Lindo como sempre
Eu exagero nas palavras mas nos meus versos eu só encontro você.
"DEUS SE FOR DA TUA OBRA, SE FOR DE TI
ENTREGA-ME E ENSINA-ME.. A ESSE AMOR."

sábado, 6 de setembro de 2014

quero fugir, posso?

raiva, angustia, saudades, amor, saudades, incompreensão, falta, arrependimento, dor...

Hoje me vejo além do que dizendo que posso, na verdade hoje sou o que sempre foi negado ou não compreendido, hoje sou o que ninguém queria que eu fosse!
de 15 primaveras conheci o que alguém que já passou por umas 28 ainda não conheceu...
Vivendo na busca apenas de mais um dia normal sem dor explicita e vivendo pra buscar um amor, outra dor, outra saudade, outra vida e talvez.. ahh talvez, uma compreensão.
Que a minha loucura seja perdoada pois metade de mim é amor e a outra... é amor também!


terça-feira, 15 de julho de 2014

Já foi. Já era. Não era para ter sido assim, mas foi. Sim, se foi. Acabou. Vai fazer falta. Vai doer de saudade. Porém não tem mais volta, é verdade. Arrependimentos? Alguns, talvez muitos, inclusive a vontade de poder fazer, falar e ser diferente. É, não tem mais como. Já foi. Já era.Cada minuto da história que construímos e chamamos de vida, vale mais que qualquer outra coisa mais duradoura que possa haver. Você sabia que em sessenta segundos tudo pode mudar? O que é branco, rapidamente fica preto. O que é firme, desmorona. O que é incerto, ganha certeza. E os feitos, os desfeitos e os defeitos, logo vem à tona. Não perca tempo amarrado à lembranças que assassinam a sua alma. Não deixe de fazer pela dificuldade do outro, o que para você é fácil. Não guarde dentro da boca, o que o teu coração tem vontade de gritar. Não espere demais, porque nem sempre ganhamos o tempo necessário que achamos que merecemos. Faça. Fale. Peça. Ouça. Bata o pé. Perdoe. Peça perdão. Declare que ama. Diga que sente falta. Doe. Divida. Procure. Mas não espere, não espere tanto. É triste querer reverter o que não se pode mais. Ter que aceitar e sentir a palavra NUNCA dilacerando por dentro, é uma tortura sem fim. Porque a partir do momento que uma situação, história ou vida passa de “ainda tem tempo” para “nunca mais”, todos os seus planos, falas, ensaios, expectativas, anseios, receios e vontades referente àquilo, se perdem. E dói, dói muito.Por isso, tenho percebido que o melhor que podemos fazer para nós e para quem amamos, ainda que hajam erros, falhas, dores, imperfeições e rancores, é aprendermos a não mais perder tempo. A não confiarmos naquilo que não nos emite certezas absolutas. É que, infelizmente, nunca sabemos quando vai ser a última vez que veremos alguém importante, quando vai ser a última vez que sentiremos o calor do seu abraço, o som da sua risada, o toque das suas mãos. E todas essas coisinhas que são tão, mas tão importantes que, quando se perdem, o coração sangra como uma tubulação com defeito.Por quem a gente ama, as nossas prioridades aceitam ficar em segundo plano. A gente só precisa ter atitude de coloca-las lá. Não espere perder uma oportunidade ou alguém que você gosta, para reconhecer que deveria e poderia ter se empenhado e feito mais. O que passou, passou. E a sentença de que de certo modo fracassamos, é pesada. É dura…Não perca tempo. Ame com todas as dificuldades, faça mesmo sem ser reconhecido, diga mesmo que, com vergonha e reconheça que errou, peça perdão, perdoe. A vida é realmente um filme, e nem todos possuem a sorte de protagonizar um longa, então curta porque a sua história ou a de quem você ama realmente, pode ser um curta.
Hoje eu amanheci com necessidade de você. De qualquer jeito. De qualquer maneira. Com todas as suas imperfeições e repleta de qualidades que tanto me encantam. Amanheci com sintomas de saudade, mas garanto que não é arrependimento, nem culpa. É só vontade de te ver sorrir de novo, de te cheirar, de te tocar. É só uma vontade áspera de te amar mais uma vez. Só mais uma.Tem dias que estamos tão vulneráveis ao amor que basta uma foto, uma canção ou uma singela lembrança, para que o coração comece a ficar sufocado. E hoje, acordei diabetes de amor, necessitando urgentemente da insulina do teu beijo. Daquele beijo que jamais conseguiu ter um substituto. Querida, o tempo passa, é verdade. Mas aquilo que nos marca, ecoa dentro da nossa cabeça para sempre. Às vezes a lembrança fica leve, fininha e incolor. Mas assim como o vento, ela sempre faz questão de vir de repente e nos abraçar. E cada toque é um arrepio, cada flash de lembrança boa é um sorriso e cada cheiro que volta à tona, é uma sensação que foge da minha capacidade de conseguir explicar. Hoje eu te queria aqui comigo, envolvida nos meus braços e vestida apenas pelo mesmo lençol que me cobre. Doses fortes de nostalgia me fizeram sentir carência nesta manhã de terça. O dia amanheceu gelado. O sol coberto. A janela está decorada com gotas e no meu quarto faz 14 graus de frio e saudade. Não sei por onde andas, nem com quem andas, eu só sei que te queria aqui, agora, porque sei que tu ama um céu nublado e uma cama desarrumada. E aqui tem os dois, só falta o principal: a tua presença.

Vai

Nossa história termina por aqui, assim como os verbos conjugados na primeira pessoa do plural. Resista a segundas tentativas, último beijo e esperanças desnecessárias; faça bem para si e esqueça nossos momentos felizes, aproveite, apague os tristes e me transforme em um borrão em sua mente. Não me diga que somos para o resto da vida; eu odeio restos. Restos de carinho, de café e, principalmente, restos de ti. Não se apegue no pouco de mim que sobrou em seu coração indeciso, permita-se ir. Agora você é o garoto de camisa xadrez e eu a menina do batom vermelho, apenas meros desconhecidos. Refiro-me como desconhecidos não desmerecendo todo o conhecimento que tivemos durante o nosso relacionamento, mas, sim, porque pouco importa o nosso passado quando não saberemos nada do futuro um do outro. Provavelmente, eu não seja a garota com os lábios pintados de vermelho por muito tempo e amanhã você use a mesma estampa de roupa. E é aí aonde a graça se esconde: separados somos diferentes, o que resolve metade de nossos problemas. Pode ir, não precisa dramatizar a cena segurando minha mão ou me dando um abraço de despedida. Odeio despedidas, uma vez que esta nada mais são do que restos do que, supostamente, duraria resto da vida; você deixou resto de café na garrafa térmica e eu não reclamei, mas é como eu já disse: resto do resto é demais para o meu estômago.
É involuntário, quando me distraio por cinco minutos já estou ao seu lado. Quero dizer, estou pensando em estar ao seu lado. Pensando no que diria olhando no fundo dos seus olhos amendoados, e como seria minha reação diante de suas respostas. Ah, suas respostas. Por que você tem que ser sempre aquele que diz entrelinhas? Aliás, nunca entendi muito bem o que quer dizer entrelinhas. Entre as linhas. O que tem entre as linhas senão um espaço em branco? Não é mesmo? Eu só consigo enxergar o que está ali na minha frente, e de preferência que esteja em um outdoor cheio de cores e luzes que é para não correr o risco de passar batido. Mas você não faz isso e parece que é só para me irritar. Você adora me ver irritada. Tudo bem, deve ser mesmo engraçado ver alguém mordendo os lábios ao mesmo tempo em que dá olhares apreensivos para os lados. Vai, pode rir. Eu adoro o som da sua gargalhada! Por outro lado odeio o fato de que você me desmonta como uma casinha de lego todas às vezes em que sorri…
Você é o silêncio, e eu toda palavras. Você fala baixinho enquanto eu sou aquela que grita. Você diz tudo quando não diz nada, e eu, bem, digo tudo porque não consigo me conter em pensamentos. Sou um livro aberto, daqueles que convidam o leitor a ficar mais um pouquinho para ler a próxima página. Você é um diário com cadeado trancado dentro de um baú. E me incomoda muito o fato de que eu ainda não tenha achado a chave, ou descoberto a senha. 
Eu quero dar uma volta ao mundo em um dia ao seu lado, mas você diz que temos todo o tempo do mundo para isso, e sultimente, acaricia meus cabelos. Eu gosto de planejar o futuro minuciosamente, você sorri despreocupado e diz que não se importa muito com isso. Por favor, se importe.Por amor, fique. Eu me descabelo só de pensar em te perder, você me olha com ternura e me dá a segurança que tanto preciso. Se eu pudesse pegar para mim o infinito do universo, eu te dava. Sou toda exageros. Mas você daria um jeitinho de me mostrar que o que vale mesmo é o que tem dentro de nós. E que isso é maior que qualquer infinito. Tenho vontade de dizer que te amo toda vez que te vejo, e você não precisa dizer que ama, porque quando vejo a ternura em seus olhos, eu simplesmente sei…
Quando penso em você, penso em branco. Uma página em branco que espera desesperadamente o seu encontro com a tinta capaz de escrever histórias incríveis. A nossa história. Quando penso em você, penso em escrever um livro. Dois. Três. Contando sobre histórias de amor que nunca aconteceram na realidade, mas que na minha imaginação, sempre vão existir.
Me perdoe por esse texto enorme e por ser sempre ansiosa. Só de pensar em como você vai reagir ao ler esse texto, meu estômago se revira todinho. Por favor, dê aquele sorriso, me dê as mãos e vamos viver a 300 km por hora. Claro, usando cinto de segurança.
Isabela Freitas.

sexta-feira, 20 de junho de 2014

baby eu queria te dizer

Não sei quantos habitantes vivem no mundo
todo encontro é o jeito do acaso
achar no sonho uma miragem
assim, inesperadamente, quase um susto
comuns nas minhas lentes, são impactos
pegando lá por dentro como, imagem
e não, e não há nenhum relógio que para fazer voltar o tempo
perdi no mundo o que era o mundo meu
você é a própria novidade, que atualiza o que te cerca.
Pra você guardei o amor que sempre quis mostrar
e olho para você e vejo toda a graça
é que somos iguais
e eu falei sobre toda a vontade desenhada
e a ingenuidade de uma criança
no gesto que toca a gente na alma
que é você o que eu quero
essa paixão me fez uma mulher melhor.
Depois de você
enquanto houver luz nos meus olhos
não vou parar de procurar os olhos seus
leva muito tempo
não some nunca mais
não sou de pedra mas meu coração é teu
guarda esse amor, ele é todo seu.

Nando Reis (adaptado)

Algo que talvez não lhe interesse

Minha foto
Brazil
Uma amizade que parecia mais um arco-iris, uma grande ilusão e pessoas falsas resultou em ESCRITORADECOLÉGIO.